logo

Unimed é recomendada pelo MPF a realizar testes da covid-19 e a custear o diagnóstico

Unimed é recomendada pelo MPF a realizar testes da covid-19 e a custear o diagnóstico


Com objetivo de manter os sindicalizados bem informados acerca de seus direitos, o Sindicato dos Servidores da Justiça do Trabalho dos estados de Rondônia e Acre (Sinsjustra) comunica que a operada de plano de saúde Unimed terá que ampliar a autorização para a realização e custeio de despesas do exame de diagnóstico da covid-19. 

A recomendação feita pelo Ministério Público Federal (MPF) junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT), à Defensoria Pública da União (DPU) e à Defensoria Pública do Estado (DPE), inclui a realização do exame em todos os casos suspeitos de coronavírus, independentemente da gravidade da doença (leve a grave), internados ou não.

A orientação do MPF, MPT, DPU e DPE é para que a Unimed realize exame de diagnóstico da covid-19 em pessoas conveniadas pertencentes ao grupo de risco, sendo elas: 

doenças cardíacas crônicas;

doenças respiratórias crônicas;

doenças renais crônicas em estágio avançado (graus 3, 4 e 5);

pessoas com deficiência imunológica;

portadores de doenças cromossômicas com estado de fragilidade imunológica;

gestantes de alto risco;

doença hepática em estágio avançado e;

obesidade - Índice de Massa Corpórea (IMC >=407).

Os órgãos pedem, ainda, na recomendação que o exame seja feito em pacientes beneficiários que estiveram expostos a riscos devidamente comprovados, seja em razão da prática de atividades essenciais ou de atividades profissionais indispensáveis ao enfrentamento da covid-19, considerando a impossibilidade de cumprimento do isolamento social. 

Caso haja disponibilidade de insumos, após terem sido garantidos os testes dos demais grupos prioritários (internados), pacientes que apresentem quadros leves e moderados também devem ser testados.

Além da realização da testagem, os órgãos recomendam que a Unimed adote providências e adequações necessárias à ampliação do atendimento, aumentando o número de leitos clínicos e de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) no hospital da Unimed em Porto Velho, bem como a quantidade de respiradores, uma vez que a disponibilidade de leitos e respiradores do estabelecimento é insuficiente para o atendimento de uma demanda de pacientes relativa a uma capital de estado.
 

Top